quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Perfeita (Continuação) - I

Perfeita (continuação)

Encontramos Platus no caminho para o meu Box, ele havia transferido todas as coisas e também uma, vamos dizer camareira, que na verdade era uma serviçal com severas ordens de socialização e que também alguém imposta pelo Senhor e pai de Andrômeda, bom o primo estava  numa outra missão de escolta até um posto onde sua prima iria resolver uma questão de comercio área em que seu pai havia colocado nas mãos dela.
Como interrompi agora as duas estava no meu Box, outra coisa que era comum entre as fêmeas do seu planeta, elas não carregavam a castidade, só a reprodução era contida, principalmente pelas ditas Perfeitas.
De corpo desenhado com curvas e silhueta delirante, ela se pôs nua e se dirigiu ao chuveiro, fiquei só observando as duas na verdade estavam nuas e se divertiam sob a agua, olhando fixamente para mim que da minha cama fitava e as olhava com excitação, pois se tocava e se beijavam, como sedução e desejado fogo de quem queria ter e dar prazer.
Como o feromonio vagava enchendo o ambiente sentia dois distintos, mas que se atraiam e se direcionavam ao único macho no quarto, eu.
Esperei um instante e mandei Platus sair o que não o fez a principio, mas não estava a fim de carregar ele para onde iria então saquei minha armar e simplesmente apontei para sua cabeça e o fiz sair, mas antes disse:
- Esqueça tua missão elas agora me pertencem e volte e se o ver novamente lhe mato, sei como o procedimento é serio ao dominar uma Perfeita, então tudo que pertencia a ela, agora era meu, e o primo que se dana, nas explicações como o tio.
Tranquei a porta e sem mais puxei a Serviçal e perguntei o nome? Prisca!.
A levei para a cama e lá comecei a me deleitar com um corpo forte, mas macio e sem me contrariar ela me beijo e acariciou e nua a penetrei, sem a rudez dos membros naturais do seu planeta, mas mostrando que era minha e o desejo de ambos tínhamos que saciar, enquanto isso Andrômeda no banho só ouvia os gemidos prazerosas de um ser humano dominado pela luxuria de uma mulher humanoide de um lugar distante, mas que mostrava saber o que fazer, gozamos umas vez e depois como adoro apresentar certos nuances do sexo , um anal fui preparando, mas com cuidado, pois sei que não são bem vistos nem por essa raça, mas senti uma certa resistência no começo e um grito de dor, mas depois fluiu da maneira que gosto e passei minutos lindos em beijos apaixonantes com Prisca, enfiando rola as vezes devagar outras fortes e os gemidos, trouxe a Perfeita para peto do quarto e Prisca estendeu a mão para ela, mas eu tirei e olhei para essa mulher de pé só olhando sem repulsa ou qualquer rejeição, ai abri bem as pernas de Prisca e enfiei tudo sem dor , mas com prazer autentico de macho, então estendi minha mão e braço e Andrômeda deitou-se do lado e nos três se beijando e eu trepando no rabo de uma e beijando a boca da outra.
Não queria gozar , mas sim a muito sem ter uma mulher, que sabia agora pertencia mesmo, sem volta e ainda com uma serviçal fantástica e cumplice de Andrômeda, pois as duas também se beijavam com um ardor de paixão, retire um pau e fui ao banheiro o que a Perfeita fico olhando, mas só uma ducha e mesmo molhado, ao voltar estavam entrelaçadas e conversando baixinho, mas pararam ao me ver e sem mais entre as duas deitei, já que queria muito conversar antes de ter Andrômeda, assim Prisca levantou languida e pegou um objeto mostrou-me e as duas sorriram, e colocaram num aparelho e uma musica linda e ritmada começou elas estão contente e com a libido em alta , começaram a dançar e eu ofereci licor e me deram algo para comer, dançando elas me olhavam sorria e aos beijos se tocavam.
Perguntei:
- Se fazia muito tempo que se conheciam?
A resposta veio de Prisca, 10 dos teus anos, solar.
Andrômeda, somos amantes desde então, e agora me parece que você também o será!
Dançando me chamou e grudando o corpo no meu disse mereço o mesmo tratamento dado a Prisca?
- Sim, só iniciei com ela, pois queria te passar, que para mim são iguais!
Mas sei que outras vezes ela terá um papel serviçal pelo menos na frente de outros!
Então as duas junto ao meu corpo se beijaram e a mim, Tenho um pedido, disse Andrômeda:
- faça!
Não mate nem mande meu primo Platus de volta será muito útil a nos ou a você!
Peguei um copo e coloquei leite da Perfeita e ofereci a Prisca, ela me olhando bem vagabunda não prefere tomar direto, e pegou o copo e deu para nossa amante e pegou minha cabeça e levou ao peito da Perfeita onde suguei com força para obter o liquido e Prisca foi levada ao outro peito e assim nos dois sugamos e bebemos leite da Perfeita mais languida e saborosa, ela soltou gemidos e gritinhos de prazer, olhando nos dois de boca cheia , beijo-me e depois a outra mulher e disse:
- Foi a primeira vez que um homem tomou assim e a primeira vez que dois seres juntos fizeram e eu senti um prazer enorme.
Mas tarde falaremos com Platus então, ele não te pertence, mas sei que tem ascenção sobre ele.

Elas continuavam a dançar já que o leite de uma Perfeita tem lá suas funções energéticas e a sensualidade ali era viva entre nos . . . 


Almeida Lucius™

15/02/2017

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Um poema de mulher

Um poema de mulher

Akseya, filhas de imigrantes de um lugar distante na Europa, pele branca e deliciosamente, sem marcas, pois o sol era um inimigo que mantinha distancia, dos pais trazia na bagagem, cultura e intelecto, mas como chegou jovem neste lugar se adaptou muito e fortemente abraçou o jeito e costumes, do passado, o pudor de andar nua não existia e não o fazia com todos no seu apartamento porque integrada ao costume local , tinha a certeza que seria como um oferecimento, mas com amigas e amigos íntimos só de calcinha desfilava o corpo.
Mantinha uns poucos pelos pubianos, pois naturalmente ruiva sabia que atiçava os amantes com esse contraste, pele branquíssima e esse pelos fazendo combinação com os cabelos e algumas sardas nas costas e no colo acima de seios que eram médios e com mamilos rosados e apontando para o céu, magnífica, um exemplar de mulher, que da tesão e água na boca, e que lábios sempre em tom vermelho e carmim,  que agora alcança um quarto de século e financeiramente pouca ou quase nenhuma ajuda pede aos velhos, mas que mantêm um laço importante e no s fins de semana sempre no sábado ou domingo lá esta com eles, dom seu porte Europeu e gingado dessa maravilhosa terra, se faz notar em todos os lugares que aparece, sempre em tom de brincadeira diz que as loira são as melhores e os homens casa com as morenas, mas as ruivas são raras, como são raros os diamante e os excelentes vinhos, e todo abre um sorriso e as portas para essa mulher que tem argumentação sobre física nuclear, a fuxico, que é uma arte com retalhos de tecidos.
Bom aqui foi um pouquinho dessa ruiva, mas em outra ocasião, continuo com o perfil, vamos ao que interessa, um acontecimento que deixou muitas lembranças nela.

O Pneu, o usuário e a prostituta. . .

Agora um acontecimento que me ocorreu e dei esse nome acima, narrado a pedido na primeira pessoa, conheci um homem que com muito charme e inteligência, me convidou para um barzinho na região norte de São Paulo, acho que ele não morava daquele lado do rio , já que nos encontramos por acaso, na Fnac da Paulista, mas estou solteira e posso conhecer e sair com que quero, e ele tem lá um certo olhar de safado o que me aguça, então marcado no meio da semana, gosto mais por que os lugares nunca estão cheios, que roupa, bom sensualidade nunca é demais, então vestido colado e curto, um salto médio e acho que estará muito bem, me dirigindo para o lado dela do rio(Tiete), numa Avenida dividida por um rio, o Pneu, acho eu, murchou, senti na direção que fiou pesada, estacionei e sai do carro, não era tarde, umas 21 horas, um movimento razoável e nenhuma borracharia a vista, os carros passavam e muitos mexiam comigo , mas nenhum santo parou, até que um motoqueiro, estacionou a frente do meu carro e veio andando, tirou o capacete e vi que era um homem negro( um fetiche de pele), ele me mediu de cima para baixo e sorridente disse:

Vamos trocar esse pneu!
Sorri e já lhe agradeci.

Eu o olhava com aguçada visão , era forte e tinha lá seus 30 e poucos anos, a moto era de velocidade e ele educado e calmo, pediu a chave do carro abriu o porta mala e retirou o estepe e calmo tirou um cigarrinho fino que logo percebi ser feito por ele mesmo, de onde estava parecia palha, daqueles do interior, que usam fumo de corda, mas na noite tudo parecia mais suspeito, ele me deu uma olhada e ofereceu, não aceitei ele riu e continuou, do outro lado da avenida uma viatura de policia, passava lentamente e vi que ficaram olhando e riram, depois de alguns minutos lá estava os policias do nosso lado e desceram todos e mandaram o negão(nas palavras educadas), se levantar e já foram perguntando o que estava fumando?
Sem meias palavras cigarro de palha e fumo, com uma pausa instigante, fumo, sim de corda, nenhum acreditou e todos riram dele , mas o que estava mais perto, cheirou e realmente era fumo de corda, o revistaram e acharam o fumo e varias palhas para cigarro desse tipo, ele sem mais voltou a trocar o pneu e ai os policias dois deles do meu lado, com educação de quem se acha autoridade, me perguntaram quanto era o programa , assim de imediato não entendi, mas fiquei possessa ao ver que me achavam uma prostituta, respirei fundo e respondi!
Pelo carro e minha roupa quanto vocês acham que é?
Não gostaram muito do que eu disse, mas. . .
Ai meu socorrista vamos dizer levantou e disse:

Pronto!
Entregou-me um cartão!
O qual estava escrito o nome e Justiça Federal!
Minha surpresa!
Se quiser processamos eles e riu!
Um dos policias pegou o cartão e no mesmo momento meu amigo agora retirou uma carteira e abriu e todos viram um brasão Justiça Federal.
Comecei a rir e disse:

- Que a Prostituta queria ir embora se o maconheiro não se importasse!

Um dos policias pediu desculpas e se foram como chegaram!
Meu celular toca!
Era o homem do encontro dizendo desculpas, bem fracas!
Pela minha fisionomia.
Carlos olhando para mim, gosta de Samba?
O que?
Samba, pois acho que teu programa furou e riu.
Era adorável a maneira que ria e me media, disse que não sambava, mas gostava!
Carlos só disse me siga, foi o que fiz, pois a noite voltava a ser uma promessa, nada como uma excitação para acalmar uma decepção!

Depois de 5 minutos estávamos em frente a uma das Grandes Escolas de Samba de São Paulo e após estacionar bem na frente veio e pediu que deixasse ele estacionar o que fez com a ajude de dois conhecidos e deixando num cantinho perto de uma barraca que logo fizeram questão de dizer:

Carlinhos fica tranqüilo, você é da casa!
E veio outro homem de porte até mais forte e o abraçou e ele apresentou-me como amiga, mas não sabia meu nome o que o amigo lhe disse:

- Imperdoável
Disse meu nome, mas não teve jeito ficou Ruivinha, e entramos, todos, o cumprimentavam e varias vinham e abraços e beijos e ele não soltava minha mão e vi que todos reparavam, bom a bateria é uma nota 10 então fervia e trouxeram uma garrafa de whisky, e o garçom, relatou gelo de água de côco, sorriu e sem perguntar me serviu, começou a sambar e fazia como se eu fosse porta bandeira e fez me acompanhar em alguns passos, me segurando pela cintura, com a pegada gostosa e safada, meu vestido subindo e o tesão fluindo, chegou no meu ouvido e disse:

Se fosse uma prostituta e eu maconheiro, quando seria o programa?
Fixei meus olhos no dele e disse:

- Já esta pago!

Continua  . . .

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Perfeita


Perfeita

Minha Primeira Fêmea Núbia , me escolheu há alguns anos, quando ainda ganhava meus créditos em contrabando de leite, havia viajado até um planeta meio ano luz  de distancia da estação de transporte 2, para me encontrar com um Nubio, que por muitos créditos conseguia fornecer esse leite, mas que já havia avisado a mim, que seria a ultima entrega, pois as leis do seu planeta mudaram e agora esse tipo de crime, era para os machos pegos punição capital e para as mulheres que realmente forneciam o leite trabalhos forçados em plantações da planta que extraiam o poderoso Licor Nubio.

Como a teoria da dobra espacial, era realidade, meio ano luz, hoje em dia era uma viagem corriqueira, e na estação tinha um dos dois Box Triplo, ou seja moradia com 120 m2, cheguei cedo ao encontro e não demorou ele chegou , não tínhamos uma amizade, somente negócios e me passou seu Plastic, no qual aproximei meu cartão, que contem desde identificação e todos meus dados financeiros e automaticamente transferi o credito que já havíamos combinado, me passou a chave digital de um deposito e cada um seguiu seu caminho, me dirigi para o hangar onde o transporte me esperava e a outros e lá mesmo, ao entregar a chave a um funcionário , me foi entregue um cartão que no meu Plastic, pude ler que minha carga já estava no mesmo transporte e a verificação estava correto, pois a carga era para todos Licor Nubio, depois de algumas poucas horas, já estava na Estação 2 e no meu Box, pude realmente ver os 10 litros de leite, e um recipiente, com outro cartão magnético grudado, o peguei e fui ler no meu Plastic, e fiquei surpreso, pois lá o vendedor dizia que esse litro era de uma Perfeita, o que me fez vibrar, pois nunca tinha experimentado, de uma Núbia Normal sim, o que faz um efeito monstruoso em algumas percepções humanas, como olfato fica aguçado, não esperei muito e tomei um copo razoável, não me senti diferente do meu normal, mas estava com sono e dormi, horas depois acordei com fome e sai pela estação, já tinha um lugar agradável para comer, não tinha noção de horas, porque não me importava, quando estava fora do meu planeta, esse você que lê conhece Terra, azul e bela, mas onde estava qualquer hora tinha refeições dos três planetas que se conheciam, mas queria muito uma Pizza que nem o tempo deixou de ser apreciada e o licor Nubio, nos corredores muitos andava e comprava e se tocava, notei que algo me incomodava, era o perfume de todos, mas o feromonio de cada um que passava, estava aguçado meu olfato, muito mais que antes, muito mais fácil as fêmeas humanas e seus descontrole nos perfume que o corpo emana junto com as emoções, desde sexuais, medo, raiva, amor, tudo é transferidos para o feromonio, assim ficava mais fácil saber o que pensava, através do cheiro, antes precisava me concentrar, agora não tudo vinha naturalmente e dava para perceber quando eram direcionados para mim, mas a fome era muito maior que meu interesse por esse fato, e chegando ao local, fui recebido por um atendente que me levou a uma mesa e fiz meu pedido e lógico o licor chegou primeiro uma garrafa, pois sem o leite, humanos não bebiam nem dois copos, mas já havia anos que eu consumia até duas garrafas sem ficar embriagado, pois a constituição orgânica com a junção do leite Nubio, modificou todo o metabolismo do meu corpo.
Já havia consumido vários copos e notei um Nubio, que me fitava, como conheço os costumes deles, olhei para ele diretamente e não olhei para a companhia, mas sabia que era uma fêmea, esse ser me fitou e mesmo distante, senti que estava confuso, pois meu consumo era alto para um humano, mas deixe para lá, comi a pizza e pedi outra garrafa, e levantei para ir ao banheiro e ao passar perto da mesa, senti o perfume da fêmea era de atração e olhei direto para ela, linda de olhos negros poderosos, e um corpo bem formato, com a musculatura forte como todos do mesmo planeta, como sei das leis, essa provocação, teria passado em branco se não fosse a primeira garrafa, mas nada tinha a perder, e segurando o seu dedo menor, perguntei se ela havia direcionado o perfume realmente para mim, pela lei deles ela teria que dizer, para qual dos dois machos estava espalhando o perfume, o Nubio levantou e ia fazer algo , tinha 1,90m , mas minha reação foi mais rápida e pelo pescoço, ergui e apertei e sem poder reagir se não morreria, voltei a fitar a Núbia e desloquei o seu dedo, com a dor e gemendo , mas sem lagrimas, não tirou os olhos de mim, soltei o macho, o qual agora não podia interferir, pois era a lei deles, ela disse que havia traído os próprios sentimentos e sim o perfume era para mim, com olhos arregalados o Nubio, ficou estático e eu segurando a mão direita com o dedo deslocado, fiz com que ela fosse sentar na minha mesa e ela nos seguiu, olhe para ele e disse:

Traga tudo de vocês para minha mesa e me espere, pois vou ao banheiro!
Olhe muito profundamente para ela, falei, não converse com ninguém!
Fui calmamente ao banheiro e ao voltar o Nubio e ela quietos, peguei um copo e coloquei mais licor e pedi mais um copo e coloquei para ele, e depois ofereci para ela no meu próprio, o que era uma quebra, pois nenhum Nubio daria licor a uma Núbia em publico, ela aceitou e novamente senti, agora mais forte o perfume que ela emanava, e com rapidez voltei o dedo dela para o lugar certo, e ficava imaginando a dor, mas pouca expressão surgiu, ela bebeu, olhe para ele incrédulo, e perguntei?

-         Quem eram os dois, de onde vinham , para onde iam ?
-         Me olhou bebeu mais licor e começou a falar, seu nome era Platus e estava viajando da estação 1 para Nubilos o planeta natal dos dois, eram primos, ele devia cuidar e zelar por ela, pois eram da mais alta estirpe  de comercio de nutriente e licor, levantei o cabelo dela e verifiquei uma marca que alguns de estirpe , neste momento pensei que havia feito algo muito errado, mas agora não há volta, olhei fixo para aquela mulher magnífica e perguntei seu nome, ele imediatamente respondeu, eu olhei para ele dizendo:

-         Não perguntei a você e sim a ela, novamente uma quebra na tradição deles, não na minha!

-         Ela disse :

-         Andrômeda!, posso beber mais?

-         Sim pode, lindo nome, recebi seu primeiro sorriso!

-         Platus !, ele me olhou, você tem Plastic?

-         Sim

-         Abra, coloquei perto meu cartão e disse endereço!

-         Automaticamente ele já tinha meu endereço, aqui na estação, e com isso, o mandei ir buscar tudo de Andrômeda e levar para meu Box, nada podia fazer o dizer, tomou mais um gole e se levantou e se foi, comecei uma conversa bem aberta e informal com aquela fêmea que havia me escolhido sem saber que eu podia sentir a escolha, talvez nos dois tivéssemos agora arrependimento, foi o que perguntei primeiro?

-         O tempo me dirá o que fiz , sei que para Platus, nada será bom, pois vai prestar conta e não vai ter como ser perdoado, e a razão maior é que você é humano, meu pai nunca vai acreditar que você fez tudo que a lei pede, e Platus não soube corrigir a situação, mas não me arrependo, sinto teu perfume tb e a mim pertence!

-         Sei que existe um dote?

-         Acho que nunca terá o maior que é ao me fazer Perfeita, 25% de tudo, pois sou a primogênita, mas ainda tem um dote, que é a concessão de comercio para muitos lugares dos Nutrientes e do Licor, que você consegue beber até mais que nos Nubios, qual seu nome?

-         Lucius! 



Almeida Lucius™

24/11/2011